Este website utiliza cookies que facilitam a navegação, o registo e a recolha de dados estatísticos.
A informação armazenada nos cookies é utilizada exclusivamente pelo nosso websiteAo navegar com os cookies ativos consente a sua utiliza

Saber mais Aceitar Cookies

Elaboração de tabelas com composição quantitativa de aminoácidos e teor proteico de um conjunto de produtos hortícolas e leguminosas de origem nacional a partir da realização de perfil de aminoácidos desses alimentos.

Investigador: Carla Vasconcelos
Instituição: Unidade de Doenças Metabólicas do Centro Hospitalar São João, Porto

   

Abstract

As Doenças Hereditárias do Metabolismo (DHM) são patologias raras de natureza genética em que a metabolização de um determinado composto se encontra alterada. Na sua origem está uma deficiência enzimática específica, que afeta uma determinada via metabólica, levando à acumulação de compostos (muitas vezes tóxicos) e à produção diminuída ou nula de um produto biologicamente importante (Scriver et al., 2001). A deficiência enzimática é devida a mutações num ou vários genes codificantes para o passo metabólico em causa.

As aminoacidopatias e as acidúrias orgânicas englobam DHM dos aminoácidos e sob o ponto de vista fisiopatológico são incluídas no grupo de “doenças tipo intoxicação”, ou seja, doenças que se caracterizam por sinais e sintomas de intoxicação aguda e progressiva, após um intervalo livre, por acumulação de metabolitos tóxicos a montante do bloqueio enzimático. Há uma relação evidente com a ingestão do alimento que funciona como tóxico e com as intercorrências agudas, principalmente as infeciosas, devido ao catabolismo proteico associado. Podem manifestar-se de forma aguda no período neonatal, horas ou dias após o nascimento, ou mais tardiamente em qualquer idade como doença crónica e progressiva ou, de forma aguda, com descompensações, caraterizadas por uma elevada mortalidade e morbilidade. O tratamento a longo prazo consiste essencialmente na remoção do produto tóxico da dieta, o que na prática se traduz numa alimentação restrita em proteínas e aminoácidos específicos (Saudubray et al., 2006).

Uma das importantes fontes proteicas dos planos alimentares dos doentes com Doenças Hereditárias do Metabolismo Proteico são os produtos hortícolas e as leguminosas. É fundamental que os profissionais de saúde forneçam informações fidedignas relativas à composição proteica e de aminoácidos destes grupos de alimentos, permitindo o acesso dos doentes a uma alimentação mais variada, completa e equilibrada destes doentes. Interessa conhecer o perfil dos produtos mais utilizados na alimentação de cada país, bem como estar atento aos hábitos alimentares da população e à sua evolução. Nos últimos anos, têm ocorrido alterações no mercado alimentar português, quer pela introdução de novos produtos anteriormente menos usuais, quer pela retoma de produtos de utilização classicamente nacional, mas cujo perfil não está completamente caraterizado. Existe a necessidade de atualizar estes dados e, simultaneamente, sistematizar essa informação em bases de dados ou tabelas de composição, possibilitando aos doentes uma melhor escolha, em prol da sua saúde.

CONTACTOS

Faculdade de Farmácia da U.L.
Av. Prof. Gama Pinto
1649-003 Lisboa
Portugal

Contacto: Fernanda Asper
Telefone.: +351 217 946 400
Fax: +351 217 946 491
spdm@ff.ul.pt


Newsletter

Subscreva a newsletter da SPDM - Sociedade Portuguesa de Doenças Metabólicas

Newsletter